Páginas

terça-feira, 28 de março de 2017

Espelho Longitudinal

Aos 18 anos, escrevi o seguinte:

"E o que me deprime é que com apenas 18 anos ja não faço promessas no ano novo, ja não me surpreendo com as pessoas e ja desisti em expectar uma inovação da sociedade. Mas [...] eu traço objetivos para uma vida, e não para o próximo ano; é uma das minhas tentativas de sair da cronologia. Entre eles estão o de escrever um livro, abrir uma ONG para cachorros abandonados, aprender finlandês. Enfim, embora pareço um descrente da vida, ainda não desisti de mim."

Agora com 24
anos, o mundo não mudou muito, mas aprendi a conviver com ele, não de uma forma que traga conforto, mas a dor diminuiu, viver não é um fardo a carregar como eu pensava. Sobre as conquistas, estou acabando minha segunda graduação, o que na verdade, não significa muita coisa porque no meio de tantas áreas que me interessam, ainda não sei qual a melhor opção para segui, e por isso, me encontro extremamente frustado no trabalho no último lugar que pensei que estaria. Eu conheci os meus melhores amigos depois dessa idade,hoje sou sociável, até demais, nunca pensei que detestaria ficar um sábado em casa. Tenho amigos, tenho histórias e aventuras para contar, tenho vontade de comemorar minhas vitórias com eles e me importo com suas vitórias também. Aceito críticas, derrotas, mas ainda não aceito errar, é onde eu me desabo e me torno extremamente frágil, ainda sou vítima do tempo e não posso voltar para corrigir os erros, e existem consequências que me destroem ter que lidar simplesmente porque eu as poderia ter evitado.
Aprendi a lidar com meu jeito, mas ainda não controlo minhas insônias. Emagreci 25 kg, estou muito melhor sim, mas ainda não cheguei onde gostaria. Escuto muita gente dizendo que é bobagem e perda de tempo me preocupar com a forma física e que o importante é ter saúde, mas eles não me conhecem. Não sabem que toda vez que olho para o espelho e vejo aquelas curvas, é relembrar de todos os traumas, bullyings e depressão que sofreu por conta do peso. Eu sei que simplesmente emagrecer a qualquer custo não é a melhor forma de curar isso, mas eu estou gostando de tentar ter essa mudança de hábitos e reconheço as qualidades que uma alimentação saudável me proporciona. Isso mostra que ainda não curei totalmente do meu trauma, e sei que não irei curar 100%, terei que conviver com isso para o resto de minha vida. Depois dos 20 anos, parei de fazer terapia, mas preciso voltar com urgência, mas agora sou adulto e isso está sujeito a aprovação financeira. Ainda defendo o capitalismo e tenho que aceitar as consequências por isso. Além de viver sem dinheiro, ou apenas não conseguir juntá-lo, o desejo de me tornar o escritor tem ficado cada dia mais distante, por sinal, é o que mais lamento nesses primeiros anos de vida adulta; parei de escrever. Escrever era uma forma de tentar me comunicar com o mundo, de tentar me entender, como minha vida social sempre esteve em alta, não priorizei as palavras... Mas se eu estou aqui, é porque de alguma forma ainda necessito dos meus versos. Ainda não situei minha vida, confesso que avancei, mas não realizei a grande mudança que eu me preparei minha vida inteira e que irá me dar total libertação, mas agora mais do que nunca, aposto em mim e sei que não vou durar muito, pelo menos assim. Seja conquistando uma fortuna como recompensa do meu esforço até aqui, ou seja perdendo tudo e tendo que começar do zero. Essa é minha despedida e mais do que nunca, todo desespero para ser feliz será finalmente conquistado.


0 Comentários:

Postar um comentário

Pelo menos leia o texto e evite escrever merda!
Eu não me importo que coloque o link de seu blog, só não aceito que se resuma a isso!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails